Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Um basquete ao estilo holandês?

Por Rafael Bezerra As cestas, o jogo coletivo e o uso exclusivo dos braços trazem uma semelhança quase imediata com o basquete. Porém, as diferenças entre o corfebol e o famoso esporte norte-americano, certamente, ainda são muito grandes. Assim como o rugby, esse esporte – muito conhecido na Europa – busca seu reconhecimento no Brasil. …

Um basquete ao estilo holandês? Leia mais »

Por Rafael Bezerra

Típica partida de Corfebol, disputada em quadra: um raro exemplo de esporte misto (Foto: www.jomec.co.uk)
Típica partida de Corfebol, disputada em quadra: um raro exemplo de esporte misto (Foto: www.jomec.co.uk)

As cestas, o jogo coletivo e o uso exclusivo dos braços trazem uma semelhança quase imediata com o basquete. Porém, as diferenças entre o corfebol e o famoso esporte norte-americano, certamente, ainda são muito grandes.

Assim como o rugby, esse esporte – muito conhecido na Europa – busca seu reconhecimento no Brasil. E, apesar de ainda estar conquistando seu espaço no cenário nacional, o Corfebol (ou Korfbal) já se destaca por ser um esporte misto, ou seja, com equipes formadas por homens E mulheres. Contudo, antes de nos aprofundar nas regras e novidades desse jogo, vamos conhecer um pouco de sua trajetória.

 

Dica nº 1: é um país da Europa

O Corfebol, diferentemente do que se pode imaginar, é um esporte centenário: foi criado na Holanda em 1902, pelo professor de Educação Física Nico Broekhuysen. O holandês buscou inspiração em um jogo, chamado Ringball, que ele conheceu na Suécia durante um torneio de verão. Por coincidência, a Associação de Educação Física de Amsterdã estava à procura de alguma modalidade capaz de incluir crianças, adolescentes e adultos de ambos os sexos – levando em conta que, no início do século XX, a participação feminina nos esportes era praticamente nula.

Dessa forma, o Corfebol  – que, em holandês, significa “bola ao cesto” – ganhou notoriedade, sendo introduzido por Broekhuysen nas escolas holandesas e, posteriormente, espalhando-se pelo país e pelos territórios coloniais holandeses. Em 1903, foi fundada a Associação Holandesa de Corfebol e, em 1920, o esporte foi modalidade de demonstração nos Jogos Olímpicos da Antuérpia, na Bélgica. O país, a partir daquele ano, viria a desenvolver o esporte.

A Federação Internacional de Corfebol foi finalmente criada em 1933. Entretanto, o esporte começa a se espalhar pelo mundo apenas após a Segunda Guerra Mundial, quando alguns países europeus – como Reino Unido, Espanha, Dinamarca, Alemanha – e asiáticos começam a praticá-lo. O apoio dos holandeses e belgas, potências do Corfebol até os dias de hoje, foi fundamental na promoção do esporte nos países vizinhos.

O primeiro torneio internacional de Corfebol viria bem mais tarde: apenas em 1963, com a participação inicial de Holanda, Bélgica e Seleções Britânicas. Esse campeonato foi disputado anualmente até 1974, quando a Alemanha Ocidental iniciou sua participação na modalidade. Com o posterior aumento de seleções inscritas, foi criado um Campeonato Europeu de Corfebol, disputado a cada quatro anos.

Países participantes da Federação Internacional de Corfebol: Brasil está entre os 43 membros (Fonte: Wikipédia)
Países participantes da Federação Internacional de Corfebol: Brasil está entre os 43 membros (Foto: Wikipédia)

 

O Corfebol em terras brasileiras

A seleção brasileira de Corfebol, após faturar o 1º Torneio Pan Americano da modalidade (Foto: Federação de Corfebol do Estado do Rio de Janeiro)
A seleção brasileira de Corfebol, após faturar o 1º Torneio Pan Americano da modalidade
(Foto: Federação de Corfebol do Estado do Rio de Janeiro)

O esporte demorou para chegar ao Brasil. Foi apenas na década de 1980, após um grupo de estudantes cariocas viajar para a Holanda, que o Corfebol entrou no país. Entretanto, a falta de apoio e patrocínio inviabilizaram o projeto de expansão da modalidade.

Ainda assim, em 1999, o professor de educação física Marcelo Soares liderou os esforços de oficializar o esporte no Brasil, que se tornou um dos 43 países membros da Federação Internacional de Corfebol. Soares ainda ficou encarregado de divulgar a modalidade pela América do Sul.

Conceitos Básicos

As dimensões de uma quadra de Corfebol (Foto: Reprodução)
As dimensões de uma quadra de Corfebol (Foto: Reprodução)

As partidas possuem duração de 60 minutos, divididos em dois tempos de mesma duração. Cada equipe é formada por 4 homens e 4 mulheres (sendo que metade fica posicionada na defesa). A cada duas cestas, os defensores viram atacantes e vice-versa.

O objetivo de um jogo de Corfebol é marcar mais pontos que o adversário para conseguir a vitória. Para marcar pontos, cada equipe deve arremessar a bola dentro de uma cesta (que vale um único ponto). Assim como na maioria dos esportes, o início e reinício das partidas é feito a partir do meio-campo.

Não é permitido aos jogadores tocar a bola com as pernas, pés, joelho, ou punhos. Quicar a bola e retirá-la das mãos de um  companheiro de time/adversário também são práticas proibidas, assim como carregar a redonda enquanto corre. A marcação deve ser individual (homem marca homem, mulher marca mulher) e, caso ocorra uma marcação dupla, o árbitro pode assinalar uma penalidade (semelhante ao Lance Livre, do basquete).

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima