Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Observatório: Um pan verde, amarelo e dourado

Em 11 de agosto, o Brasil encerrou sua participação no Pan-Americano de Lima. Após 17 dias de competição, a delegação alcançou a marca de 171 medalhas – 45 de ouro, 55 prata e 71 de bronze – o melhor desempenho de sua história. O Observatório faz, agora, um tour pelas principais conquistas dos atletas canarinhos. …

Observatório: Um pan verde, amarelo e dourado Leia mais »

Em 11 de agosto, o Brasil encerrou sua participação no Pan-Americano de Lima. Após 17 dias de competição, a delegação alcançou a marca de 171 medalhas – 45 de ouro, 55 prata e 71 de bronze – o melhor desempenho de sua história. O Observatório faz, agora, um tour pelas principais conquistas dos atletas canarinhos.

 

Por baixo d’água

Os brasileiros nadaram, nadaram, e felizmente não morreram na praia. Ao fim dos Jogos Pan-Americanos 2019, o Brasil saiu banhado de medalhas, com onze ouros, nove pratas e doze bronzes – totalizando 32 condecorações.

As provas foram marcadas por montantes de emoção. A sorte que faltou quando Guilherme Guido perdeu por 4 centésimos a prova dos 100m costas, sobrou na sua participação no revezamento 4×100 medley misto. Nesta, os americanos chegaram em primeiro lugar, mas perderam o ouro devido a um movimento ilegal de perna realizado por Cody Miller durante o nado peito. Resultado: lugar mais alto do pódio para o Brasil.

Além da medalha memorável de Guido, ainda conquistamos o histórico tricampeonato de Leonardo de Deus nos 100m borboleta, a dobradinha inédita de Breno Martins Correia e a vitória de Marcelo Chierighini nos 100m livre em cima de Nathan Adrien, campeão olímpico em 2012.

Tivemos também um grande marco nos 4x100m livre masculino. Com um tempo de 3min12s61, o quarteto formado por Marcelo Chierighini, Bruno Fratus, Henrique Spajari e Breno Correia conquistou o recorde pan-americano – feito que, com certeza, acentuou o destaque de toda a delegação brasileira.

Da esquerda para a direita: Guilherme Guido, Giovanna Diamante, João Gomes Júnior e Larissa de oliveira – equipe que levou o ouro no revezamento 4×100 medley [Imagem: Lance]

Por sobre as águas

Se embaixo d’água o desempenho do Brasil foi excepcional, por sobre ela não foi muito diferente. Somadas, as medalhas conquistadas na canoagem, vela, remo e surfe resultam em um total de 24 condecorações. O maior dos méritos veio na vela, onde o país obteve, além de dois bronzes e duas pratas, cinco ouros.

Uma das medalhas douradas foi conquistada pela dupla Gabriel Borges e Marcos Grael na modalidade 49er. “É sensação de dever cumprido, sentimento de que todo o esforço valeu a pena. No momento da conquista foi primeiro um alívio, depois uma felicidade indescritível. Tudo parecia perfeito”, conta Gabriel sobre a emoção da conquista.

Os atletas da canoagem foram responsáveis por trazer para o país mais oito medalhas: um ouro e dois bronzes na disputa em velocidade; quatro ouros e um bronze na categoria Slalom. Já o remo, que dos esportes citados teve menor contribuição, conquistou para o Brasil uma prata e dois bronzes.

Enquanto isso no Surfe – modalidade estreante em Pans – a delegação demonstrou o porquê de o Brasil ser, hoje, protagonista no cenário mundial do esporte. Conquistou um bronze, uma prata e dois ouros (ambos no desporto feminino, por Chloé Calmon e Lena Guimarães).

 

Por sobre as pistas

Com ampla tradição na área, o Brasil se utilizou do atletismo para saltar no quadro de medalhas. Conquistou 16 ao todo – seis ouros, seis pratas e quatro bronzes. 

Duas delas ficaram por parte  de Altobeli, que trouxe um ouro e uma prata para casa. Após conquistar o segundo lugar nos 5000m livres, o brasileiro, nos 3000m com obstáculo, manteve um ritmo avassalador desde a largada e garantiu a medalha dourada na prova que é sua especialidade.

 Ainda vale destacar a dobradinha de ouros no revezamento 4×100. Em duas grandes performances, tanto o time feminino quanto o masculino alcançaram o lugar mais alto do pódio. Por último, com uma marca 28min27s44, Ederson Vilela conquistou um inesperado ouro nos 10000m, após sofrer muito para manter a vantagem no último quilômetro

Altobeli após sua grande conquista no Pan 2019 [Imagem: R7]

Além da arte

Um dos carros chefes da delegação brasileira, a ginástica não decepcionou – embelezou a competição e trouxe medalhas ao país. Na rítmica foram três bronzes, uma prata e um brilhantíssimo ouro. A glória maior foi conquistada pelo quinteto: Beatriz Silva, Camila Rossi, Deborah Medrado, Nicole Pircio e Vitória Guerra na competição por conjunto. 

Deborah fala sobre o diferencial responsável por levá-las ao topo do pódio: “O principal foi acertar a série inteira, pois quando erramos perdemos. Essa é a diferença das primeiras para as outras: as primeiras não erram”. 

Na ginástica artística, os atletas brasileiros foram ainda mais condecorados. Conquistaram três bronzes, quatro pratas e quatro ouros. Em Lima, o Brasil não só foi o país mais premiado da modalidade, desbancando os EUA, como atingiu o seu melhor desempenho na história dos Pans.

Destaque para a dobradinha na disputa individual por aparelhos (solo, cavalo, argolas, salto, paralelas e barra fixa). Foi ouro para Caio Souza, melhor na prova geral, em que totalizou 83.500 pontos. E prata para Arthur Nory, que ficou em segundo lugar com 82.950 pontos. 

 

Por sobre os adversário

Após muita luta, o Brasil conseguiu, somando todas as artes marciais, um total de 36 medalhas: nove ouros, dez pratas e dezessete bronzes. Um verdadeiro nocaute nas demais delegações sul-americanas.

Destaque para a rainha das lutas, Rafaela Silva, que conquistou o ouro no judô. Em pouco mais de um minuto, aplicou um ippon – equivalente a um nocaute – e ganhou a luta. Esse feito, junto da prata conquistada por Daniel Cargnin e do bronze de Juninho Bomba, consagrou o Judô da delegação.

Além disso, a brilhante Milena Titoneli conquistou o primeiro ouro da história brasileira no Taekwondo pelas mãos, e pés.. Numa luta emocionante, a atleta bateu a medalhista olímpica Paige McPherson. No fim da partida, a americana partiu para o ataque, enquanto Milena administrava o empate em 6 a 6. Contudo, após intervenção do VAR, Paige ficou atrás. Na sequência, recebeu um contra-ataque. 9 a 8, e ouro para a brasileira. 

Rafaela Silva posando com a menina de seus olhos [Imagem: Globo Esporte]

Outros ouros destaques

Além das condecorações já citadas, os atletas brasileiros conquistaram mais 12 medalhas de ouro.

 

Quadro de medalhas

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima