Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Um suspiro para o basquete brasileiro

Por Nelson Niero Neto No último 28 de julho, o Brasil foi finalista da Copa América Sub-16 de basquete feminino, disputando o título com o Canadá. Em um jogo acirrado, com direito à prorrogação, a seleção canadense foi campeã com apenas um ponto de diferença no placar. Apesar da derrota, a campanha do Brasil foi …

Um suspiro para o basquete brasileiro Leia mais »

Por Nelson Niero Neto

Imagem: FIBA Américas

No último 28 de julho, o Brasil foi finalista da Copa América Sub-16 de basquete feminino, disputando o título com o Canadá. Em um jogo acirrado, com direito à prorrogação, a seleção canadense foi campeã com apenas um ponto de diferença no placar. Apesar da derrota, a campanha do Brasil foi marcante e mostra o talento das atletas que defenderam a seleção.

Na semi-final, as brasileiras enfrentaram a seleção norte-americana, uma equipe extremamente competitiva e difícil de ser vencida. Para se ter uma ideia, a Copa América Sub-16 começou a ser disputada em 2009 e teve, até agora, 4 edições; os Estados Unidos foram campeões em 2009, 2011 e 2013. A quebra dessa hegemonia é uma prova de que hoje temos grandes promessas no basquete brasileiro e, com o devido reconhecimento e valorização, ele ainda pode crescer muito.

O destaque da seleção brasileira nessa campanha foi a ala Izabela Nicoletti, de 16 anos (completados em agosto), que brilhou nas quadras de Puebla, no México. Ela foi o nome do jogo contra os Estados Unidos e Canadá, sendo a jogadora que mais pontuou em ambas as partidas.

Izabela vive hoje nos Estados Unidos, onde joga no Carolina Waves. Seu talento não passou despercebido em um país onde o basquete é muito valorizado: mesmo restando ainda 3 anos para terminar os estudos na escola (o lá chamado “high school”), ela já foi procurada por 18 universidades da primeira divisão da NCAA (em português, Associação Atlética Universitária Nacional), a principal organização de esportes universitários dos Estados Unidos.

A paixão pelo basquete começou cedo. Izabela joga desde os 5 anos, por influência da prima e da irmã mais velha, que treinavam em uma escola em Americana (SP). Ela acompanhava na arquibancada, pois era considerada muito nova para jogar, e repetia todos os movimentos e jogadas feitas pelas atletas em quadra. Vendo isso, a técnica Anne Sabatini resolveu abrir uma exceção e permitiu que Izabela participasse dos treinamentos. Dez anos depois, uma agradável coincidência: Anne foi a técnica da seleção brasileira na Copa América Sub-16, onde viu a garota a quem deu a primeira oportunidade jogar com maestria.

Imagem: Arquivo pessoal/Izabela Nicoletti

Para Izabela, o tratamento dado ao basquete nos Estados Unidos é muito diferente do Brasil. “O que mais me chamou atenção aqui foi o fato da prática esportiva andar junto com os estudos”, conta ela. “Para jogar, você precisa ter boas notas”, completa. Segundo ela, no Brasil seria mais difícil se dedicar aos estudos e simultaneamente tentar seguir uma carreira no basquete.

É fato que o basquete brasileiro passa por dificuldades. A Confederação Brasileira de Basquete vive uma grave crise financeira, e alguns times estão tendo problemas para montar e manter seus elencos para os campeonatos. O Palmeiras, por exemplo, anunciou no final de junho a sua saída do Novo Basquete Brasil, o campeonato masculino nacional da modalidade, e também do Campeonato Paulista. Segundo nota oficial do clube, a licença será inicialmente por uma temporada, e apenas para o basquete adulto. As categorias de base continuam competindo, mas é preocupante uma equipe como o Palmeiras, que coleciona 12 títulos paulistas de basquete, abdique de sua participação nos campeonatos profissionais.

Mesmo ciente dos obstáculos, que conhece com familiaridade, Izabela enaltece a importância que o esporte tem para ela: “sendo uma apaixonada pelo basquete, nunca vou deixar de apoiar uma pessoa que queira seguir carreira na modalidade”, e relata: “o basquete é a minha vida. Deixei minha família e amigos para jogar nos Estados Unidos, então dá para se imaginar o que esse esporte representa para mim”.

A trajetória no basquete está apenas começando para ela. Além do desejo de defender a camisa brasileira mais vezes, como fez de forma brilhante na Copa América, Izabela também pretende jogar por uma universidade norte-americana quando terminar os estudos na escola. Ela também pensa em jogar a liga de basquete profissional dos Estados Unidos. Um sonho que, a depender de seu talento, está muito próximo da realidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima