Home Cidadania Sport Club Bolsas esportivas nas universidades: em que passo está o Brasil?
Bolsas esportivas nas universidades: em que passo está o Brasil?
ARQUIBANCADA
09 out 2019 | Por Mariana Carrara (marianacarrara@usp.br)

Na última década, o acesso ao ensino superior tem sido facilitado. Seja por programas como o FIES e o ProUni, ou pelo desempenho acadêmico e esportivo.

Esse último ganhou a atenção das universidades particulares brasileiras que, em busca de promover a instituição e ser destaque em jogos universitários, concedem bolsas a atletas. Universidades como o Mackenzie, a UNITAU, a UNIP, Unisanta e a UNG são algumas das que já possuem programas de “bolsa atleta”, como a maioria denomina.

Mas quais são os critérios? O que esses programas têm em comum? Em que passo está o Brasil na concessão dessas bolsas?

 

Um caso que difere da maioria

A maioria dos programas são iniciativas das próprias universidades, que querem ter atletas promovendo seu nome nas competições. Isso fica claro no artigo 27 do documento que dispõe sobre a concessão de Bolsas de Estudo aos alunos de graduação da Universidade de Taubaté (UNITAU), que define como um das obrigações do aluno contemplado com a Bolsa Atleta “divulgar o nome da Unitau em entrevistas, premiações em competições, fotos ou em outros meios, portando vestimenta que ostente a logomarca da Unitau”.

Mas um caso que difere da maioria é o da Universidade de Guarulhos (UNG). Não que a UNG não tenha interesse em se promover, mas o programa Bolsa atleta partiu da prefeitura da cidade, que há mais de dez anos estabelece um vínculo com a universidade para dar aos atletas que competem pela cidade a chance de ter um diploma. 

Júlia Wenceslau, aluna de nutrição na UNG, conta que quando passou para a seletiva do time de handebol de Guarulhos, ganhou, além da moradia e da alimentação, a bolsa de 100% na UNG. Ainda assim, teve que prestar o vestibular, e, como passou, ganhou a bolsa.

Segundo o portal da Prefeitura de Guarulhos, em dez anos de parceria com a Universidade, cerca de 400 atletas já conquistaram o diploma de curso superior. Além disso, no ano passado, com a renovação desse convênio, mais cem atletas foram contemplados por bolsas de estudos nas modalidades de atletismo, basquete, boxe, ciclismo, handebol, judô, karatê e voleibol.

Júlia comentou que “a gente joga pela cidade e, com esse vínculo que temos com a faculdade, a gente acaba treinando junto. Até porque o time da cidade é praticamente o mesmo da Universidade.”

Júlia Wenceslau em quadra pela UNG [Imagem: Mariane Machado Fotografias]

Aspectos em comum

Se analisarmos os critérios de concessão das bolsas para atletas, a maioria tem como condição a frequência em aulas e o desempenho acadêmico, o que não difere de outros tipos de bolsas. O edital de bolsas do Mackenzie especifica que é necessário “desempenho curricular acadêmico cujo aproveitamento não seja menor que 75% das disciplinas cursadas no período.” 

O desempenho esportivo também é critério na maioria das faculdades. A UNITAU coloca que “será concedida bolsa desde que o aluno atleta apresente resultados significativos e tenha competência técnica de interesse da Instituição”. Já o Mackenzie só concede a bolsa se a qualidade técnica e tática for “atestada por técnico especialista indicado pelo Departamento de Esporte ou órgão equivalente nos Colégios, Faculdades e Universidade”, e ainda prevê a apresentação semestral de documentos que comprovem a evolução do desempenho em treinos e competições. 

Com esse critério, os alunos atletas têm medo de que, se o desempenho esportivo piorar ou não evoluir, eles podem perder a bolsa. Isso os coloca em uma situação de pressão e desamparo. Por esse motivo, a UNG não utiliza esse critério. 

Evelyn Nunes, aluna da UNG que tem a bolsa atleta e faz parte do time de atletismo, contou que “como a faculdade não corta a bolsa por falta de desempenho esportivo, nunca tive medo de perder”.

 

Em que passo está o Brasil?

Segundo a EducationUSA, rede do Departamento de Estado dos Estados Unidos que promove informações sobre o ensino superior no país, mais de mil faculdades e universidades americanas oferecem bolsas para atletas. Quando comparamos a realidade do Brasil à dos Estados Unidos, fica claro que o Brasil é iniciante nesse quesito. A cultura de concessão de bolsas esportivas nas universidades americanas é muito presente, o que explica o patamar elevado que o esporte universitário no país possui, ainda não alcançado pelo Brasil. 

Estádio de futebol da Universidade Duke, nos Estados Unidos, considerado um dos 15 piores do país
[Imagem: Streeter Lecka/Getty Images]

Conceder bolsas de estudos aos atletas não só dá a eles chance de conciliar o esporte com a formação superior, oferecendo uma alternativa à vida de atleta que pode ser subitamente interrompida, bem como incentiva o esporte universitário do país, que ainda é pequeno e precário. Se possuísse maior investimento, poderia se fortalecer como porta de entrada para o esporte profissional.

 

Como é a vida dos estudantes contemplados por bolsas esportivas?

Para saber mais sobre a vida dos alunos atletas, o Arquibancada conversou com duas estudantes que são beneficiadas por bolsas atleta. Confira abaixo a entrevista na íntegra:

ArquibancadaSer estudante é difícil. Ser atleta também. Os dois exigem muita dedicação. É difícil conciliar a rotina de treinos com a graduação? 

Evelyn Nunes – “Eu treino 3 horas por dia cinco vezes por semana. Têm pelo menos uma competição por mês. A parte mais difícil mesmo é quando tem competição no meio da semana que aí eu perco explicação da matéria e isso para mim conta muito.”

Júlia Wenceslau – “Eu treino a tarde toda, chego do treino morta, não consigo pegar muito no caderno. […] Querendo ou não, é um pouco desgastante. Não que seja impossível, eu estou tentando conciliar. Em questão de lazer, eu acabo não conseguindo fazer tudo o que eu gostaria de fazer e acabo perdendo nessa conciliação. […] Mas é uma coisa que eu escolhi. Eu acho um pouco difícil, mas não é impossível.“ 

Arquibancada – Qual o significado dessa bolsa na vida de vocês?

Evelyn Nunes – “Vida de atleta não é muito longa né, então você precisa ter um plano B quando sair dessa vida”.

Cleber Andrade, estudante de fisioterapia da UNITAU – “Escolhi praticar handebol por influência da minha família, a paixão pelo esporte já estava no sangue. Usar o esporte como uma forma de poder estudar, adquirir conhecimento, amadurecimento e crescimento pessoal e profissional é muito gratificante”

Apesar de vermos universidades brasileiras concedendo bolsas esportivas, isso ainda é muito novo no país. Poucas são as que oferecem e a expansão desse tipo de programa não é vista como algo próximo de acontecer. Exemplo desse cenário é a faculdade Anhembi Morumbi, que desde 2014 não trabalha mais com bolsas esportivas. Isso mostra um regresso, onde deveria haver avanço. 

Arquibancada
O Arquibancada é a editoria de esportes da Jornalismo Júnior desde 2015, quando foi criado. Desde então, muito esporte e curiosidades rolam soltos pelo site, sempre duas vezes na semana. Aqui, o melhor de todas as modalidades, de todos os pontos de vista.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*