Home Lançamentos ‘Marighella’: memória de um tempo que não se pode esquecer
‘Marighella’: memória de um tempo que não se pode esquecer

O filme resgata a história do líder revolucionário e expõe a face mais encoberta da ditadura militar brasileira em uma obra de grande qualidade artística

CINÉFILOS
02 dez 2021 | Por Eslen Brito (eslenbrito@usp.br)

Quem entra no cinema para assistir Marighella (2021) encontra rostos conhecidos e uma história por muitos desconhecida. Inspirado no livro biográfico Marighella: O Guerrilheiro Que Incendiou o Mundo (Companhia das Letras, 2012), de Mário Magalhães, o filme reconta a história de Carlos Marighella, deputado, escritor e ativista revolucionário, durante a Ditadura Militar (1964-1985). Na liderança de uma guerrilha urbana, Marighella (Seu Jorge) se coloca na linha de frente de combate ao regime. 

O longa se compromete a mostrar, responsável e sinceramente, a face mais violenta da teia de perseguição e opressão militar que se instalou no país sob a justificativa de “combater a subversão, a corrupção e a infiltração comunista”. Ambientado em 1968, época em que o regime ainda tinha apoio de alguns setores da população e a imprensa estava bastante limitada pelos censuradores, a principal preocupação dos militantes, tidos como inimigos da nação, era mobilizar o povo contra os ataques institucionais a liberdades individuais e a direitos humanos. 

O golpe de 1964 representava a supressão de uma intensa mobilização sindical e da possibilidade de que uma reforma agrária ocorresse, pela primeira vez, no Brasil, que é até hoje marcado pelo contraste entre latifúndios improdutivos e pequenos produtores sem-terras. A partir daí, o então presidente João Goulart foi deposto, o Poder Legislativo suspenso e o Executivo militar passou a governar por meio de Atos Institucionais, decretos com poder de Constituição que legalizavam qualquer ato do Poder Executivo. Mas, obviamente, as engrenagens centrais que mantinham a ditadura — a perseguição mortal de opositores, a tortura e a manipulação factual — eram mantidas à força em segredo. Marighella é, sobretudo, um grito póstumo dos que foram amordaçados na narrativa histórica.

Marighella é descrito como terrorista em cartazes de busca policial. [Imagem: Reprodução/Instagram/@marighella_ofilme]

Marighella é descrito como terrorista em cartazes de busca policial. [Imagem: Reprodução/Instagram/@marighella_ofilme]

A obra é a estreia de Wagner Moura como diretor e deveria ter sido lançada em 2019, mesmo ano em que o então presidente ameaçou extinguir a Agência Nacional de Cinema (Ancine) caso não pudesse filtrar as produções audiovisuais brasileiras. Após dois anos de pedidos negados, o longa foi lançado em 4 de novembro de 2021, data que marca 52 anos da morte de Marighella. O diretor comentou ao Observatório do Cinema que não tem dúvidas de que o filme foi censurado.

Encenado por Bruno Gagliasso (Lúcio), Humberto Carrão (Humberto), Maria Marighella (Elza) — que é neta do ativista — e protagonizado por Seu Jorge, o elenco não deixa a desejar em atuação. Os personagens são explorados com sensibilidade e humanização, cometendo erros e acertos com boas e más intenções que os tornam muito mais reais. Outro artifício perspicaz é a manutenção do nome de alguns atores em seus personagens, que, assim, parecem pessoas já conhecidas pelo público.

Lúcio em sua sala na polícia. [Imagem: Reprodução/Instagram/@marighella_ofilme]

Lúcio é um policial e torturador no Departamento de Ordem Pública e Social (DOPS) em São Paulo. [Imagem: Reprodução/Instagram/@marighella_ofilme]

A potência dessa obra, nos tempos atuais, diz muito sobre o presente cenário sociopolítico. Às portas de eleições executivas e legislativas, além de compreender a trajetória dolorosamente empregada no passado para que esse direito de escolha fosse possível hoje, é válido questionar se patriotismo é vestir o verde-louro em uma camisa ou defender a soberania de recursos nacionais e a garantia de subsistência para todos os brasileiros. Embora isso ainda seja questionável, não existe patriotismo sem resgate à própria história e, assim, independentemente de opiniões políticas pessoais, assistir a Marighella é imergir em um período da nossa história que ecoa até os dias atuais.

A direção de fotografia, de Adrian Teijido, tem sucesso ao transmitir, em movimentos de câmera e enquadramentos, toda a aura de tensão que envolvia o enredo. O roteiro de Felipe Braga e Wagner Moura também acerta ao tecer um fio poético que amarra o início e o fim da trama, em uma jornada cheia de significados e referências. O último presente ao espectador é o encerramento, embalado pela voz de Elza Soares e letra de Gonzaguinha, que resume a obra em sua totalidade: 

Memória de um tempo onde lutar por seu direito é um defeito que mata”.

O filme está em cartaz nos cinemas brasileiros e estará disponível na plataforma Globoplay a partir de 4 de dezembro. Confira o trailer:

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
orimar brito
Ficou muito bom! Parabéns, ótima crônica. Já pode substituir Artur Xexeu.
03 dez 2021
 
Elouise Silva de Andrade Brito
Texto impecável, transmite todo o sentimento que o filme desperta! Parabéns!
03 dez 2021
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*