Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Virei um Gato: Faltam quantas vidas para acabar?

por Bruna Nobrega brunadenobrega@gmail.com Imagine a cena: executivo de muito sucesso que dá mais valor ao trabalho do que à família, sócio invejoso que quer roubar toda a sua fortuna, ex-esposa que reclama de tudo, esposa atual que quer se divorciar por se sentir sozinha demais, filho que só quer o reconhecimento do pai e …

Virei um Gato: Faltam quantas vidas para acabar? Leia mais »

por Bruna Nobrega
brunadenobrega@gmail.com

Imagine a cena: executivo de muito sucesso que dá mais valor ao trabalho do que à família, sócio invejoso que quer roubar toda a sua fortuna, ex-esposa que reclama de tudo, esposa atual que quer se divorciar por se sentir sozinha demais, filho que só quer o reconhecimento do pai e filha que, no dia do seu aniversário, só quer um pouco mais de atenção… e um gato.
ninelive1

Virei um Gato (Nine Lives, 2016) segue exatamente por essa linha de personagens clichês e enredo que se desenvolve, literalmente, pelo título do filme: o pai e executivo de sucesso, Tom Brand, passa a viver sob a perspectiva de um gato (através de um processo que envolve o cara assustador e misterioso que qualquer pessoa perceberia que tem outras intenções, menos o protagonista).

A partir daí, Tom precisa passar por uma jornada emocional para perceber porque isso aconteceu justo com ele e o que ele precisa fazer para voltar a ser humano. Uma típica história de redenção – que todos sabemos como termina.

Apesar do roteiro previsível, o filme ainda consegue apresentar algumas cenas cômicas que distraem o espectador, principalmente nas cenas em que o executivo precisa aprender a se comportar como animal, desde a dificuldade com as patas e a comida de aspecto nojento que ele precisa comer até, claro, a perseguição cão e gato.
ninelives2

Entretanto, há um esforço evidente em querer transformar todos os momentos em comédia. Assim, cenas que poderiam ter mais destaque acabam ficando cansativas e cenas sérias – como as referentes ao amor familiar – perdem sua importância.

Outro detalhe importante fica por conta dos efeitos especiais durante a tentativa falha de dar expressões humanas ao animal. O gato fica com uma aparência de desenho animado, tornando toda a situação ainda mais forçada e irreal.

Apesar dos defeitos, Virei um Gato ainda deve garantir algumas risadas para quem
for ao cinema a partir do dia 8 de setembro. Confira o trailer!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima