Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Projeto Redigir: há 25 anos transformando para além da sala de aula

Em evento na ECA-USP, educadores e educandos celebram a data com várias atividades durante semana de cultura e extensão
Por Catarina Bacci (cbmedeiros@usp.br) e Fernanda Franco (fernanda.francoxavier@usp.br)

O Projeto Redigir, em comemoração aos seus 25 anos de criação, promoveu uma série de atividades ao longo do dia 21 de maio no Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE) da Escola de Comunicações e Artes da USP. O evento integrou a 2ª semana de Cultura e Extensão da ECA e contou com a presença de professores do departamento, ex-educadores, educadores e educandos ligados ao projeto.

Fundado em 1999, o Redigir é um curso gratuito de comunicação e cidadania aberto para todos os públicos que ocorre no CJE. As aulas são organizadas e ministradas por alunos da USP com foco em conteúdos de língua portuguesa e em repertórios socioculturais que propiciam a reflexão conjunta e dinâmica — seguindo um modelo que foge da educação tradicional. Todos que compõem o projeto — da parte administrativa à pedagógica — são voluntários.

A programação foi dividida em dois períodos: durante a tarde, na sala 38 do CJE, em que houve a simulação de uma aula do projeto, e pela noite, no Auditório Freitas Nobre do mesmo prédio, com mesas de debate, honrarias e compartilhamento de vivências entre os educadores e educandos reunidos. 

Aula experimental: todos são educandos e educadores 

A simulação de uma aula do grupo começou com uma roda de apresentação. Nela, estavam ex-participantes do Redigir, membros atuais, estudantes da ECA e Rodrigo Ratier — um dos fundadores do projeto, jornalista e atual professor do CJE. Ratier deu início ao evento compartilhando um pouco da história de como o Redigir começou e se desenvolveu, bem como suas experiências pessoais no projeto.

Baseando-se em pesquisas da área de pedagogia e em educadores como Paulo Freire, o grupo moldou as aulas para romperem com o modelo tradicional e serem acessíveis. Em todas as aulas, as carteiras são organizadas em círculos com o educador inserido nele, em contraste com o formato costumeiro de fileiras e o professor à frente. Rodrigo descreve este último modelo como individualizante por estabelecer uma hierarquia de conhecimentos em que o instrutor está acima. Ele explica que no Redigir as aulas são diferentes justamente para inverter essa lógica, já que colocar a sala de aula em roda sugere o debate e a troca de visões de mundo de forma mais horizontal, resgatando ideias de Freire.

Em seguida, os participantes assistiram a uma cena de O Milagre de Anne Sullivan (The Miracle Worker, 1962), longa metragem baseado na história real de Helen Keller. Nascida cega e surda, Helen era considerada incapaz de se comunicar e aprender até conhecer a professora Anne Sullivan, também deficiente visual. A educadora adaptou métodos de diálogo e educação às necessidades de Helen para poder ensiná-la, como na cena em que, através do tato da menina, Anne a colocou em contato com a água, terra e outros objetos, e mostrou elementos de língua de sinais.

A partir da cena do filme, os participantes debateram e refletiram em conjunto sobre os aspectos centrais da aula demonstrativa: “o que é ensinar?” e “o que é aprender?”. Com os depoimentos e as ideias de cada um, os presentes desenvolveram suas concepções sobre as escolas brasileiras e o papel da educação em ambientes diferentes da sociedade. A variedade de opiniões e a postura dos educadores criaram uma abertura para que o público se pronunciasse e se expressasse livremente, promovendo aprendizado através das trocas.

O professor Rodrigo utilizou as deixas de quem compareceu ao evento para guiar a aula e os assuntos abordados, discutindo o Projeto Redigir, o ensino e o ensinar. Foram tratados tópicos como alfabetização, formas de corrigir erros, didática e o modelo de escola ideal para cada um. O debate trouxe um misto das colocações dos educandos e de informações novas e específicas explicadas pelo docente. A tarde finalizou com novos olhares acerca do projeto e do ensino, além de um convite para fazer parte do grupo de voluntários.

História e transformação social

No período da noite, a proposta foi continuar a apresentação do projeto de forma mais completa a partir de olhares do passado, com ex-membros convidados, e do presente, por meio de membros atuais. Com duração de quase três horas, o encontro foi dividido em duas partes principais: introdução e discussão. 

(da esquerda para a direita) Rodrigo Ratier, Mônica Nunes e Murilo Yamassita abrem a mesa de comemoração do projeto Redigir.
[Imagem: Fernanda Franco]

A mesa de abertura foi composta por Rodrigo Ratier, Mônica Nunes, ex-educadora, e Murilo Yamassita, coordenador do Redigir há dois anos. Juntos, eles ressaltaram a importância do evento como um marco simbólico da USP ao desenvolver uma extensão dialógica que cria pontes entre a universidade e o público externo há tantos anos. Para Mônica, o principal destaque das salas de aula do Redigir é que “o conhecimento científico e o conhecimento popular são importantes na mesma medida, gerando os melhores resultados possíveis”. 

“Redigir é muito mais do que só aula sobre cidadania, gramática, redação e comunicação. É também sobre trazer as pessoas e mostrar as potencialidades que elas podem atingir. E nesses 25 anos, a gente atingiu e foi atingido por muita gente.”

Murilo Yamassita 

Murilo, que encerra a sua gestão neste semestre, falou também das dificuldades que o projeto passou para manter vivo o seu propósito de democratização do conhecimento. A falta de voluntários é um problema recorrente, que já ameaçou a existência do Redigir diversas vezes.

Após a transmissão do novo vídeo institucional do projeto, houve a apresentação dos novos cinco coordenadores, agora divididos entre três núcleos. Arthur Reis, com o institucional, é responsável pela infraestrutura e pela manutenção dos relacionamentos com outras entidades. Já Maria Eduarda Nóbrega e Beatriz Ohanna, com o pedagógico, são responsáveis pela preparação e aplicação das aulas. Por fim, Nicole Camargo e Victor Monfil, com o núcleo de comunicação, cuidam das parcerias e divulgação.

A segunda mesa abordou a exposição da história do projeto contada por Thaís Ilhéu, ex-educadora formada em Jornalismo pela ECA , que fez da vivência e admiração pelo Redigir o seu Trabalho de Conclusão de Curso. Seu livro-reportagem Sala de Sonhos narra a história do Redigir desde sua fundação em 1999, como um curso de cultura e extensão voltado para o vestibular. A partir de 2002, o projeto se tornou um curso de cidadania e, em 2009, chegou a ganhar prêmios e reconhecimento na área de educação e cidadania. Assim, o Redigir passou a promover, além das aulas, palestras, visitas a museus e vivência universitária. 

Para Thaís, “ter sido voluntária da organização foi a melhor experiência que poderia ter tido dentro da ECA e da USP. Me ajudou a ter um olhar mais plural para as pessoas e para o mundo. Foi um processo de desconstrução e de reconstrução da sociedade”. Ela ainda afirma que qualquer pessoa pode se encaixar como educador. “Não precisa ter medo de ser voluntário. O Redigir é uma construção que vem da sala de aula, então tenho certeza que todos que entrarem vão se adequar, aprender e ensinar”, complementa. 

Thaís Ilhéu conta a história do Redigir e sua experiência como voluntária [Imagem: Nicole Camargo]

Outros educadores também compartilharam as suas experiências dentro da sala de aula, incluindo a insegurança que sentiam no início em relação à qualidade das aulas. Esse sentimento foi rapidamente superado pelo retorno dos próprios alunos no trabalho final do curso, que saíram transformados pelo aprendizado adquirido e pelos laços construídos dentro da universidade. “O Redigir é tão recompensador que nem parece um trabalho”, disse Thaís. 

Na segunda parte do evento noturno, alguns ex-educadores presentes no evento foram homenageados com menções honrosas, entre eles Rodrigo Ratier, Thaís Ilhéu e Alice Mitika, professora do CJE. Em seguida, ocorreu a mesa “Entrevista com os ex-Rediamigues”, em que os ex-educadores Neide Resende, Paula Takada, Chico Moura e Alice Mitika debateram sobre o papel do projeto e as expectativas para os próximos anos.

Educadores discutem o futuro e os desafios do projeto. [Imagem: Fernanda Franco]

De modo geral, em relação ao papel do Redigir, os antigos membros reforçaram a relevância social do projeto e como ele mudou suas próprias vidas, já que todos, inspirados pelo poder da educação, seguiram na área acadêmica. Sobre o futuro do projeto, a maioria apontou o desafio de lidar com a Inteligência Artificial (IA) e as Fake News na educação e no exercício da cidadania.
O período de inscrições para ser voluntário do Projeto Redigir abrem semestralmente e podem ser conferidas através do perfil do instagram @projetoredigir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima