Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Estratégia, resistência e dinamicidade embaixo da água

O verdadeiro jogo de “três dimensões”, o rúgbi subaquático combina mergulho com estratégia e resistência física.

* Imagem de capa: [Russell Charters/Flickr] 


História do esporte

O rúgbi subaquático, underwater rugby em inglês, foi criado na cidade de Colônia, na Alemanha, em 1961. Esse jovem esporte iniciou suas maiores competições ainda mais tarde, em 1980, com o primeiro campeonato mundial masculino. Os mundiais femininos iniciaram-se somente em 1991, já na quarta edição do formato. Na Alemanha, atualmente, há três divisões profissionais, sendo a mais alta a 1. Bundesliga, o que revela uma maior estruturação e consolidação do esporte.

O rúgbi subaquático se tornou mais popular entre os países nórdicos, que hoje representam as potências mais tradicionais do esporte nas competições mundiais, com o total de 14 títulos mundiais. Na categoria feminina, o país mais vitorioso é a Alemanha, com três títulos. Já na masculina, o maior ganhador é a Suécia, com cinco títulos.  Os atuais campeões nas categorias feminina e masculina são Alemanha e Colômbia, respectivamente.

Início do jogo de rúgbi subaquático
Início da disputa da Final do Campeonato Mundial 2019 [Imagem: Reprodução/Underwater Rugby World Championships]


O local e o equipamento

Como o próprio nome diz, o esporte é praticado embaixo da água. As piscinas utilizadas apresentam, geralmente, comprimento entre 12 e 18 metros, largura entre 8 e 12 metros e profundidade que varia 3,5 a 5 metros. Há a necessidade de grandes piscinas uma vez que o jogo não é jogado na região superficial, mas na parte mais profunda da piscina. 

A bola utilizada não é oca nem preenchida com nenhum tipo de material sólido. Ela é, na verdade, cheia de água salgada, que por ser mais densa que a água tratada nas piscinas, afunda. Dessa forma, a bola não se torna muito pesada, o que contribui para que o jogo tenha uma velocidade relativamente alta e se torne mais dinâmico.

Os atletas usam alguns equipamentos como máscaras de mergulho, uma proteção para as orelhas, snorkel – usado para auxiliar na respiração, ainda que não forneça oxigênio diretamente ao atleta – e também pés de pato.


Regras

As regras do esporte são relativamente simples. O rúgbi subaquático é um esporte de contato, isto é, os atletas encostam muito no adversário – seja para executar uma defesa travando um contra-ataque, seja apresentando agressividade no ataque. Contudo, esse contato deve ser feito enquanto os jogadores têm a posse da bola. Quando é feito o passe, os atletas devem imediatamente se desvencilhar do contato. 

Também não é permitido apoiar-se no cesto (uma espécie de gol desse esporte, onde se conquista pontos), nem puxar ou agarrar os equipamentos usados pelo adversário. Do contrário, comete-se uma falta e/ou aplica-se uma punição de dois minutos. Um aspecto do esporte muito elogiado pelos praticantes é que, por mais que haja bastante contato durante a partida, o número de lesões no esporte é muito pequeno, devido à capacidade da água de atenuar o impacto.

Três árbitros acompanham o jogo: um deles fica na parte de fora da piscina e os outros dois o observam submersos, utilizando suporte de oxigênio e um sistema de comunicação.

Uma partida consiste de dois tempos de 15 minutos, divididos por um intervalo. As equipes são diferenciadas, principalmente, pela cor de suas proteções.

Colômbia e Noruega no tempo técnico [Imagem: Reprodução Underwater Rugby World Championships]


O destaque colombiano em meio aos nórdicos

Em meio aos países europeus, a Colômbia surge como uma nova potência do esporte, deslocando um pouco do eixo eurocêntrico para a América do Sul – sediando, inclusive, o Campeonato Mundial de 2015.

E foi justamente a partir desse ano que o país passou a ter resultados mais expressivos. No Mundial de 2015, suas equipes masculina e feminina conquistaram o terceiro lugar. Em 2019, a equipe masculina conquistou o primeiro lugar ao derrotar a Noruega pelo placar de 2 a 0 na final. A equipe feminina manteve seu bom desempenho, conquistando consecutivamente o terceiro lugar.

O campeonato nacional da Colômbia conta atualmente com mais de 15 clubes e está em crescimento.

Gol marcado no rúgbi subaquático
Gol marcado pela seleção colombiana na final do Mundial [Imagem: Reprodução/Underwater Rugby World Championships]


Uma visão do esporte

Em entrevista ao Arquibancada, Carmen Montejo, atleta e secretária do UNSW Sydney Whales Underwater Rugby – equipe australiana amadora de rúgbi subaquático – contou um pouco sobre a sua experiência e sobre o clube em que atua. 

Carmen disse que começou a praticar há mais ou menos dois anos e meio, enquanto jogava pelo time de vôlei da UNSW (University of New South Wales, na Austrália) e viu um anúncio na página do Facebook avisando sobre o curso para iniciantes que o clube organiza duas vezes ao ano. Ela comenta que achou “que valia a pena tentar porque eu amo mergulhar, nadar e participar de times esportivos. Eu fiquei envolvida desde a primeira sessão de treinos”.

Quando perguntada sobre os ganhos trazidos pelo esporte, a atleta ressalta o grande espectro de benefícios da prática ao dizer que “esse esporte tem grandes desafios de cardio e de resistência”. Ela ainda fala sobre como “o esporte desenvolve sua capacidade pulmonar e te ensina como permanecer calmo e reduzir as altas frequências cardíacas”. 

Carmen ainda nota uma melhora em sua saúde mental: “pessoalmente, percebi uma grande melhora na saúde mental, como isso ajuda a relaxar e a desestressar ao mesmo tempo em que melhora minha auto-confiança”.

O UNSW club é o clube mais tradicional da Austrália e foi fundado pela Celine Steinfeld após um intercâmbio na Suécia. Ainda que a Austrália ainda não tenha uma liga nacional, o número de jogadores e de clubes vem crescendo. Ela lembra que esse desenvolvimento vem ocorrendo também entre as equipes femininas. 

Segundo Carmen,  “devido à geografia e ao tamanho do país, torna-se muito custoso viajar constantemente para partidas. Atualmente, as competições acontecem em finais de semana pontuais, a cada alguns meses ou anualmente”. Dentre as competições que destacou, a atleta comentou sobre os Nationals: “acontecem em um único final de semana e é onde times nacionais femininos e mistos são decididos. Esses times poderão disputar a Champions Cup em Berlim, no final de Novembro de cada ano”.


Singularidades do esporte

O rúgbi subaquático é surpreendentemente rápido. Era de se esperar que um esporte praticado de forma totalmente submersa se tornasse lento. Contudo, o uso do pé de pato, a bola preenchida com água salgada e o ótimo condicionamento físico dos atletas permitem altas velocidades.

É possível assistir às transmissões já feitas de campeonatos mundiais no canal do Youtube Underwater Rugby World Championships. A partir de uma análise da partida da final do último Campeonato Mundial, disputada entre Colômbia e Noruega, em Graz, na Áustria, pode-se notar um pouco mais o que torna esse esporte singular. Fora o aspecto da velocidade já mencionado, a capacidade respiratória dos atletas torna-se um grande diferencial. 

Apesar de poderem ser feitas contínuas substituições ao longo do jogo, o mínimo de tempo extra que os atletas conseguem se manter debaixo d’água são vitais para o sucesso de uma posse de bola. Isso se justifica, pois a troca de jogadores diminui a capacidade de resposta do jogador que acaba de entrar.

Um exemplo de intensa atividade física acontece quando um dos times está muito próximo do gol e há uma movimentação e confusão entre os muitos atletas num mesmo espaço.

Intensa movimentação perto do cesto [Imagem: Reprodução/Underwater Rugby World Championships]
Outra situação em que é possível ver essa demanda física é na função do goleiro, responsável por cobrir e proteger o cesto do adversário. Dessa forma, o atleta tem que fazer um grande esforço para manter-se debaixo d’água e também de defender, concomitantemente.

Defesa no rugbi subaquático
Atleta protegendo o cesto [Imagem: Reprodução/Underwater Rugby World Championships]
Mas o esporte não é feito somente da resistência física, e sim da combinação de uma boa preparação com uma noção espacial e estratégia coletiva eficientes. Durante a partida, há longos períodos de posse de bola e movimentação dos times. O time atacante constrói o ataque até que se abram espaços para uma penetração na defesa. Dessa forma, o esporte exige muita sincronia e trabalho coletivo entre os atletas, dado que não há a possibilidade de muita comunicação entre eles.

Pouco convencional, o rúgbi subaquático é um esporte novo, ousado, intenso. Além de já ter se firmado como uma certa tradição em alguns países europeus, tem atualmente como destaque uma seleção sul-americana. Cabe esperar para saber se a potência colombiana popularizará o esporte, para futuramente tornar-se conhecido em todo o continente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima